Igreja Matriz

123
Igreja Matriz

Descrição

Planta composta, longitudinal, regular, de três naves, com transepto pouco saliente e cabeceira orientada a NE.. Volumes articulados dispostos na horizontal, vencendo-se o declive do terreno (de NE. para SO.) com escadaria na frontaria.

Dois adros laterais, antecedidos também por escadarias, dão acesso às portas laterais da igreja. Coberturas em telhados de duas águas e terraço. Fachada principal virada a SO., antecedida de escadaria boleada que dá acesso, após gradeamento sob arco em asa de cesto, ao nártice, onde se abre o portal principal, com frontão triangular. Esta fachada define-se entre duas torres de secção quadrada, abrindo-se, na zona central, três janelões, do coro, dois com frontões triangulares a ladearem um de frontão curvo, e ainda um óculo sobre o janelão do meio; o conjunto é terminado por varanda de balaústres altos com cruz entre dois pináculos.

As torres apresentam, de baixo para cima, quatro janelas, 1ª cornija, janela, 2ª cornija, olhais das torres, terminações redondas com cruzes e cata-ventos. A torre O. possui um relógio imediatamente antes da 1ª cornija, e a outra torre apresenta a primeira janela cega, com cruz.

As outras fachadas, parcialmente visíveis, são as laterais, possuindo, ambas, uma porta com frontão triangular e janelões rectangulares.

Franqueada a porta principal, e ultrapassado o guarda-vento, é a seguinte a constituição da igreja, no sentido dos ponteiros do relógio: baptistério, na base da torre O., com pia em forma de cálice tendo, após o pé, a tina torça, terminada por encordoamento, tudo em cantaria de granito, de feição gótica, vinda, provavelmente, da anterior igreja paroquial; a parede NO. apresenta, o altar das Almas do Purgatório, de feição barroca, construído com mármore preto, branco e avermelhado, sendo constituído, tal como os outros altares laterais, por uma base com banqueta, edícula (neste caso tapada por uma pintura) ladeada por colunas de capitel compósito e frontão contracurvado, com ressaltos e terminação em vértice, tendo, sobre o conjunto, um janelão rectangular; depois do altar um pilar cruciforme embebido na parede, uma porta lateral, outro pilar, o altar de Nossa Senhora da Encarnação e outro pilar; após teia de mármore vazado, que delimita o transepto, o altar do Santíssimo Sacramento, ladeado por duas portas que dão acesso, para SO., a um anexo adossado à igreja e paralelo à nave, para NE., a um outro anexo, na cabeceira, colateral ao altar-mor; o altar do Santíssimo, construído com os mesmos materiais dos laterais, mas preenchendo todo o alçado deste topo do transepto, apresenta sacrário, a edícula, tapada por pintura da Última Ceia, está ladeada por dois pares de colunas, seguindo-se depois o frontão com desenho semelhante aos dos altares laterais, mas alteado, dando origem a um tímpano ou espaldar decorado; junto a este altar, mas encostado à cabeceira, o altar de Nossa Senhora da Piedade, de configuração semelhante aos laterais, com uma Pietá na edícula; a capela-mor, com abóbada de canhão, apresenta cadeiral setecentista, tribunas em mármore (pertencentes à mesma gramática conceptual dos altares) e o altar-mor, o mais trabalhado do conjunto de altares, com camarim e trono e, sobre a banqueta, um óculo com moldura lavrada apresenta uma tela com Nossa Senhora da Expectação; segue-se, novamente no transepto, encostado à cabeceira, um altar correspondente ao do lado do Evangelho, consagrado ao Imaculado Coração de Maria, o altar do topo SE. do transepto, com Nossa Senhora do Rosário sobre o trono do camarim e o Senhor Morto em montra vidrada; este braço do transepto possui uma porta para NE., dando acesso à Sacristia (colateral à capela-mor), com quintal, e uma outra para SO., dando acesso a um anexo simétrico ao já referido do outro lado da igreja, onde se montou a Capela do Calvário, a dar para o adro lateral SE.; a nave lateral, do lado da Epístola, tem constituição igual à do lado do Evangelho, sendo as capelas consagradas a Nossa Senhora da Expectação (a mais próxima do transepto), e a Nossa Senhora do Carmo, sendo este altar um pouco mais elaborado que os seus similares, envolvendo, também, o janelão que o sobrepuja; a porta da torre S. dá acesso ao coro, de pouco aparato, com varanda de balaústres, ao terraço sobre o nártice, aos aparelhos de sinos das torres e à cobertura.

O tecto das naves e do transepto é de abóbadas de arestas de tantos tramos quantos os conjuntos de quatro pilares; toda a cobertura é suportada por quatro fiadas de pilares que vão das torres à cabeceira; os pilares que definem a nave central têm secção quadrada e apresentam as bases decoradas ou executadas com mármore; junto aos dois pilares mais avançados, encontramos os púlpitos.

Localização

Urbano, no centro histórico, adossado, dando a frontaria para o Lg. Dr. Regala.

IPA: Monumento

N.º IPA: 1204010005

Designação: Igreja Matriz de Campo Maior / Igreja de Nossa Senhora da Expectação

Localização: Portalegre, Campo Maior, Nossa Senhora da Expectação

Acesso: Lg. Dr. Regala

Protecção: IIP, Dec. nº 37 366, DG 70 de 05 Abril 1949

1570 – 1646: Construção;

Séc. 17: Pietá do altar colateral de Nossa Senhora da Piedade;

1707: Construção da Capela do Calvário;

1766: Construção da Capela dos Ossos, lembrando a explosão catastrófica do paiol da Torre de Menagem do castelo, em 1732;

Séc. 18 (meados): Meados – colocação dos altares e tribunas;

Séc. 18: Cadeiral do altar-mor, teias e pintura do altar do Santíssimo Sacramento.

Tipologia
Arquitectura religiosa em estilo-chão, da mesma família das igrejas-salão representadas pelas catedrais de Leiria, Miranda do Douro e Portalegre, cujo modelo pertence a Miguel Arruda, com protótipo na Igreja da Misericórdia de Santarém e que, no Alentejo, apresenta como exemplo mais erudito, a igreja de Santa Maria do Castelo de Estremoz.

Características Particulares
Existência de uma família de nove altares barrocos e duas tribunas (de meados do séc. 18), executados nos mesmos materiais (mármores preto, branco e vermelho), com a mesma concepção formal, revelando erudição e qualidade técnica.

Materiais
Mármore, granito, calcário, pedra indiferenciada, tijolo, argamassa de cal e de cimento, tijoleira, madeira, gradeamento em ferro fundido e forjado, telhas e azulejos.

Paredes de alvenaria de pedra e tijolo com argamassa; rebocos caiados; tectos de abóbadas de arestas formando tramos por cada conjunto de quatro pilares; cobertura telhada sobre armação de madeira apoiada no extradorso das abóbadas; pavimento ondulado de tijoleira rústica na cobertura do nártice, para escoamento de águas pluviais, através de gárgulas; cantaria em pilares; escultura de mármore nos altares, teias e tribunas do altar-mor.

COSTA, António Carvalho da, Corografia Portuguesa, Lisboa, 1707;

FONSECA, Frei João Mariano de Nossa Senhora do Carmo, Memória Histórica da Junta de Campo Maior, Elvas, 1912;

KEIL, Luís, Inventário Artístico de Portugal – Distrito de Portalegre, Lisboa, 1943;

MATOS, Jorge Manuel Marques de, Igrejas e Capelas de Campo Maior, Campo Maior, 1995.

Viscondes de Olivã:

  • 1927 – restauro geral;

DGEMN:

  • 1953 – reparação da cobertura, colocação de vidros em janelas, assentamento de degraus de cantaria, pavimentação a tijoleira, picagem de rebocos em pilares e pilastras;
  • 1954 – reconstrução de telhados, grelhagem em tijolo, colocação de caleiras de zinco, rebocos em paredes e pilastras;
  • 1955 – reconstrução de telhados, reconstrução de pavimentos, substituição de rebocos em paredes e abóbadas das torres e conservação de uma cúpula;
  • 1956 – limpeza de cantarias da frontaria, assentamento de degraus de cantaria, substituição de rebocos;
  • 1957 – substituição de rebocos e colocação de vidros nas janelas;
  • 1958 – reparação da cobertura, substituição de rebocos, colocação de degraus e vidros em janelas, reparação de portas;
  • 1986 – ramal de ligação de electricidade.

Utilização Inicial
Cultual: igreja

Utilização Actual
Cultual: Igreja Matriz

Propriedade
Privada: Igreja Católica

Época de Construção
Séc. 16 / 17 / 18

Autor e Data
Domingos Bucho 1999

Fonte: Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais

Horário
Aberto todos os dias

Telefone: 268 686 168
e-mail: paroquia_cmaior@hotmail.com

Instituição Responsável
Diocese de Évora
E-mail: diocese@diocese-evora.pt

Paróquia de Campo Maior
L. Dr. Regala, n.º 6
7370-047 CAMPO MAIOR